Crítica: Mônica Martelli e Paulo Gustavo estão afinadíssimos em “Minha Vida Em Marte”

A continuação de “Os Homens São de Marte... E É pra Lá que Eu Vou” (que veio do teatro para as telonas), chegou aos cinemas há algumas semanas com gosto de gás e um público imenso. São mais de 4,3 milhões de espectadores para “Minha Vida Em Marte”, que conta a história de Fernanda (Mônica Martelli) vivendo um relacionamento desgastado com Tom (Marcos Palmeira). O grande trunfo da comédia romântica, por sua vez, é deixar de lado o Tom e focar na parceria da protagonista com Aníbal (Paulo Gustavo), seu amigo e sócio. A dupla, afinadíssima, vive situações hilárias e algumas até funcionam como esquetes de humor. Com cenários que contemplam paisagens cariocas e nova iorquinas, a "Marte" vendida ao público é contemporânea e alinhada com os dias atuais, trazendo toda a atmosfera para enredos da nossa geração.

“Minha Vida Em Marte” não tem um roteiro absurdamente criativo, na verdade ele escorrega em vários clichês e situações artificiais que nos remete a outros filmes. Talvez esse seja o maior defeito, pois alguns personagens menos "aproveitados", como o próprio Tom (já citado, porque é realmente uma jogada brusca de personagem para terceiro plano) não conseguem se tornar relevantes e nem seguir o ritmo e domínio de cena de Fernanda e Aníbal. Ou seja, o enredo raso é compensado pelo carisma dos amigos. Há também participações especiais transitando o tempo todo na história, como Fiorella Mattheis, Ricardo Pereira e Anitta, que servem apenas de escada para Martelli e Paulo Gustavo crescerem ainda mais nas telonas.

Além da dupla dinâmica, vale ressaltar um outro bom ponto, apesar de ser continuação, "Minha Vida em Marte" é completamente compreensível mesmo para quem não viu o primeiro filme. A trama não se apoia em seu antecessor e faz novas investidas, mesmo que os protagonistas se repitam. O que nos dá uma luz ainda maior do porque o filme está sendo tão bem recebido, afinal ele tem uma narrativa super fácil e não há restrições para novos públicos que por algum acaso caiam de paraquedas nessa sequência.



Como você já deve ter entendido, apesar de irmos pro escuro do cinema achando que o relacionamento central dessa continuação é o amoroso, nos damos conta de que é a amizade o grande mote que move a comédia nacional. Então, se você quer marcar um rolê legal com os amigos e sua turma curte uma boa comédia romântica, só vai, porque vale o ingresso. Se não curte, pula fora porque “Minha Vida Em Marte” é um daqueles filmes que se banha com seu próprio gênero o tempo todo. Agora se você já viu deixe sua opinião nos comentários!

Censura: Não recomendado para menores de 12 anos.
Sinopse: Fernanda está casada com Tom , com quem tem uma filha de cinco anos, Joana. O casal está em meio ao desgaste causado pelo convívio por muitos anos, o que gera atritos constantes. Quem a ajuda a superar a crise é seu sócio Aníbal, parceiro inseparável durante a árdua jornada entre salvar o casamento ou pôr fim a ele.

Crítica: Mônica Martelli e Paulo Gustavo estão afinadíssimos em “Minha Vida Em Marte” Crítica: Mônica Martelli e Paulo Gustavo estão afinadíssimos em “Minha Vida Em Marte” Reviewed by Nauan Sousa on quarta-feira, fevereiro 06, 2019 Rating: 5