Análise de clipe: 'Sixième Continent', de Nolwenn Leroy


O álbum 'Ô Filles de l'Eau', lançado em 26 de Novembro de 2012, é todo construído em cima de temas marinhos/aquáticos e femininos, recheado de referências da história e da literatura. Assim como seu antecessor, o diamantado 'Bretonne' (2010), este álbum, bem como esse single, mescla instrumentação pop com influências pesadas do folk da Bretanha, região da França onde Nolween nasceu.

Seu segundo single, 'Sixième Continent', foi lançado em Fevereiro de 2013 e fala basicamente sobre poluição marinha e do descaso do ser humano em relação ao meio ambiente. Para isso, faz referência ao 'sexto continente', uma grande ilha de lixo formada no Oceano Pacífico através da concentração de dejetos trazidos pelas correntes marinhas.


Antes do clipe propriamente dito começar, aparece um pequeno texto explicando o seu conceito e seu título.


Em tradução livre, "Sexto continente. No Oceano Pacífico, os dejetos produzidos por atividades humanas e jogados nos oceanos são concentrados pelas correntes marinhas, formando um 'sexto continente'. Seu tamanho é próximo de 3,5 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a seis vezes a superfície da França".

O clipe de verdade começa com closes fechados em Nolwenn e em uma gaivota, contra um fundo preto e indistinto que não dá pistas sobre onde eles estão, pelo menos por enquanto. 


À medida que o clipe avança, os a câmera fica cada vez menos fechada na gaivota e na cantora, revelando detalhes importantes para entender o que está acontecendo. Basicamente os dois estão lutando: enquanto a gaivota bica e fere Nolwenn, ela atira lixo contra a ave.



Então finalmente descobrimos que Nolween é, na verdade, uma sereia. Então fica claro o simbolismo que o vídeo tenta nos passar. A sereia é um ser da água, simboliza o oceano limpo, em sua forma original, enquanto a gaivota, por se alimentar muitas vezes em depósitos de lixo, é um símbolo da poluição que agride o mar, agressão essa simbolizada pelas bicadas e feridas causadas na sereia.

Perto do final, vemos que toda a cena nada mais é que uma exposição em um museu, onde vemos a sereia, as gaivotas e o lixo cobrindo a superfície da água, com imagens de um depósito de lixo sendo projetadas ao fundo.


Um detalhe do final, amarra toda a crítica, pois um homem se levanta da plateia e joga um copo descartável usado na peça em exposição. Ou seja, o clipe afirma que os seres humanos sabem o que está acontecendo, mas ignoram o fato e não fazem nada para mudar a situação.



Análise de clipe: 'Sixième Continent', de Nolwenn Leroy Análise de clipe: 'Sixième Continent', de Nolwenn Leroy Reviewed by Wilson Barroso on quarta-feira, janeiro 17, 2018 Rating: 5