Análise: Shakira estabelece seu império em 'Oral Fixation, Vol. 2'


Shakira havia conquistado o mercado internacional em 2001, com o álbum 'Laundry Service', que vendeu impressionantes 15 milhões de cópias mundialmente. E seu sucesso foi pavimentado e consagrado no ano de 2005, com o projeto 'Oral Fixation', dividido em dois álbuns lançados no mesmo ano.

O nome deste projeto é referência à etapa da fixação oral, da psicanálise, que seria a primeira etapa do desenvolvimento psicossexual do ser humano, onde a boca seria a zona erógena principal, o que explicaria o fato dos bebês chuparem dedo, por exemplo. A capa dos dois álbuns derivados do projeto, 'Fijación Oral, Vol. 1' e 'Oral Fixation, Vol. 2', trazem a imagem de Eva, cujo fato de morder a maçã no Jardim do Éden seria uma manifestação dessa etapa, de acordo com a própria Shakira. (quer conceito estético, @?)

A primeira etapa do projeto, lançada em 3 de Junho de 2005, é composta totalmente de canções em espanhol, enquanto a segunda etapa, lançada em 27 de Novembro de 2005, é composta totalmente em inglês, em sua primeira versão (e é o álbum do qual essa resenha se trata, afinal). 'Oral Fixation, Vol. 2' vendeu mais de 8 milhões de cópias mundialmente, e foi responsável por colocar de vez Shakira no panteão das divas pop.

Trata-se de um álbum diverso, que passeia por diversos estilos e sub-estilos dentro da música pop, como as baladinhas acústicas, música latina; e o uso de diversos recursos estilísticos, como coro infantil e canto gregoriano. Além disso, o álbum passeia por diversos temas, desde um simples pé na bunda até faixas sobre independência política e questionamento religioso, com letras muito inteligentes em todos os casos, que atestam o talento de Shakira como compositora, pois a mesma escreveu sozinha 10 faixas de 'Oral Fixation, Vol. 2'.

Originalmente lançado com 11 faixas, em 2006 o álbum foi relançado com mais duas faixas, o hit global 'Hips Don't Lie' e o sucesso  'La Tortura', que estava originalmente em 'Fijación Oral, Vol. 1'.

Toda essa diversidade e essa quantidade de abordagens diferentes tinham tudo para tornar 'Oral Fixation, Vol. 2' um álbum desconexo e aleatório, um daqueles álbuns que 'querem dizer tudo, mas não dizem nada'. Mas de alguma forma, as canções são coesas e conversam entre si, tornando este um dos melhores álbuns de 2005, sem sombra de dúvida.

Uma curiosidade: a capa do álbum foi censurada no Oriente Médio.


Veja nossa análise faixa a faixa:

1. How Do You Do
Chutando a porta, a primeira faixa do álbum traz uma faixa que questiona a imagem de Deus nas maiores religiões, bem como a relação entre o ser humano e a religião (principalmente quem usa o nome de Deus para cometer atrocidades e justificar os próprios preconceitos). A faixa começa com uma oração, que bebe da fonte do canto gregoriano, logo desaguando em uma melodia pop rock suave, crescente e orgânica, dominada por baterias, que explode nos refrões (principalmente no último).

2. Illegal feat. Carlos Santana
Terceiro single do trabalho, esta faixa é uma balada pop com elementos country e alguns discretos riffs de guitarra, tocados pelo mexicano Carlos Santana. Ela fala sobre o luto sobre um relacionamento que terminou, sendo, portanto, bastante nostálgica. O clipe mostra Shakira como namorada de um boxeador, lembrando dos bons momentos e o motivo do término via flashback enquanto segura lembranças desse ex.



3. Hips Don't Lie feat. Wyclef Jean
Maior hit do álbum e até hoje uma das canções assinaturas de Shakira, esse hino latino traz uma batida acelerada e elementos de reggaeton mesclado com ritmos tradicionais como a salsa. O clipe é bem simples, o comum de ver em faixas que falam sobre dançar e se divertir.


4. Animal City
'Animal City' traz ritmos latinos, principalmente por causa da instrumentação típica mariachi, que trazem um clima de antigos filmes de faroeste, que se aliam de um jeito muito particular com os sintetizadores suaves e a guitarra. A letra fala basicamente sobre ter cuidado com amigos falsos que a fama traz. Pela qualidade e potencial sucesso nas rádios, essa música poderia ter sido um single ótimo.

5. Don't Bother
O primeiro single do álbum traz humor e sarcasmo, uma forma de exorcizar os sentimentos de confusão e revolta causados pelo fim de um relacionamento, no qual o eu-lírico mudou muito seu jeito de ser por causa da outra pessoa. A melodia continua no campo do pop rock, mas tem elementos suaves do synthpop. Baixo, sintetizadores e guitarra acompanham maravilhosamente bem a voz de Shakira.


6. The Day and the Time feat. Gustavo Cerati 
Versão em inglês de 'Día Especial', presente no primeiro álbum do projeto, 'Fijación Oral, vol. 1', essa música mantém o clima soft rock, com destaque para a bateria e a guitarra suavíssima tocada por Gustavo Cerati, importante o bastante para ser creditada como 'featuring'. Quanto à letra, essa faixa é o oposto da anterior, falando sobre tentar superar algumas dificuldades para fazer o relacionamento funcionar. Esta foi a única faixa do álbum não composta totalmente por Shakira, mas por ela em parceria com Pedro Aznar.

7. Dreams for Plans
Calma e relaxante, essa faixa traz elementos do trip hop, sem abandonar por completa do soft rock que foi utilizado na maior parte das faixas até agora. O uso do violão traz um clima mais melancólico e reconfortante para uma música que fala sobre o fim de um relacionamento.

8. Hey You
Censurada na China por causa de suas referências e innuendos (indiretas) sexuais, esta faixa traz estalos de dedo e instrumentação sensual que lembra música de striptease às vezes. Apesar de todo esse clima construído em cima da canção, ela fala mais sobre amor e paixão do que de sexo propriamente dito.

9. Your Embrace
A faixa mais acústica e orquestrada até agora, 'Your Embrace' é uma balada que mescla violino com uma melodia suave de bateria e uma guitarra apagadinha. É uma música de amor comum, apesar da letra ser bem trabalhada.

10. Costume Makes the Clown
Falando sobre promessas sentimentais não cumpridas, essa faixa retoma o clima pop rock em toda sua glória, com bateria e guitarra bastante proeminentes.

11. Something
Essa faixa começa com uma introdução em francês, e no geral tem uma melodia tranquila e reconfortante, uma espécie de bossa nova com riffs de guitarra que aparecem de vez em quando. Ela é a versão em inglês de 'En Tus Pupilas', presente em 'Fijación Oral, Vol. 1'. Assim como 'Your Embrace', é uma faixa de amor um tanto comum, mas com a letra bem trabalhada e pouco apegada a clichês.

12. Timor
Enquanto o miolo do álbum trata de amor, coração partido e seus desdobramentos, ele é finalizado  (originalmente) com uma faixa sobre a independência de Timor Leste, um tema tão delicado quando de 'How Do You Do', que abre o álbum. A faixa em si tem muita influência do disco e do synthpop, trazendo consigo também coro infantil. A letra é irônica e sarcástica, falando sobre as disputas de poder e os bastidores políticos sujos do processo de independência do país.

13. La Tortura (Alternate Version) feat. Alejandro Sanz
Originalmente o primeiro single de 'Fijación Oral, Vol. 1', esse hino é o que há de melhor em pop latino e reggaeton, com toda a instrumentação orgânica e dançante que se espera de músicas assim. A letra, bem como clipe, descrevem uma discussão entre um casal.


Análise: Shakira estabelece seu império em 'Oral Fixation, Vol. 2' Análise: Shakira estabelece seu império em 'Oral Fixation, Vol. 2' Reviewed by Wilson Barroso on domingo, janeiro 28, 2018 Rating: 5