Análise: Glasperlenspiel ensina a superar os limites em 'Grenzenlos'


Glasperlespiel, cujo nome foi retirado do livro de Herman Hesse ‘O jogo das contas de vidro’ (Das Glasperlenspiel), é uma dupla de electropop formada em 2003 em Stockach (Alemanha) pelo casal Carolin Niemczyk (nascida em 24 de Julho de 1990) e Daniel Grunenberg (nascido em 8 de Novembro de 1988). A dupla já lançou três álbuns em território alemão e proximidades, tendo batido a marca do disco de ouro em todos eles, com 100 mil unidades vendidas para cada um.

No começo, a dupla fazia covers de canções cristãs em shows pelo país, até que o desempenho da dupla em um concurso de iniciantes em 2010 pela Radio ENERGY chamou a atenção da gravadora Polydor, casa discográfica do duo até hoje.

O álbum Beweg dich mit mir (“Mexa-se comigo”, 2011) rendeu para a dupla seus primeiros hits em território alemão: Ich bin ich (“Eu sou eu”), Echt (“De verdade”) e Freundschaft (“Amizade”). No entanto, o sucesso desses singles ainda não firmava o lugar da dupla no cenário musical alemão, ainda faltava uma prova de que ela se sustentaria quando a aura de novidade acabasse.

A resposta veio em 10 de Maio de 2013, com o lançamento de 'Grenzenlos' (“Sem limites”), que foi precedido pelo single 'Nie vergessen' (“Nunca se esqueça”), que obteve um grande sucesso, repetindo o êxito de seu álbum anterior, ajudando a pavimentar a posição da dupla na música alemã. O álbum foi relançado com seis faixas extras em 2014, com o nome 'Grenzenlos in diesem Moment'.

O álbum em si é de um electropop muito bem feito e bem medido, lembrando vagamente Goldfrapp. Ele tem o cuidado de não deixar a melodia ultrapassar a voz dos cantores, principalmente de Carolin. Apesar da maior parte das músicas tocar em temas um tanto comuns na música pop (amor, ciúme, insegurança, etc), algumas falam a respeito da atitude das pessoas, talvez uma crítica sutil a quem atrapalhou o duo no começo de sua trajetória.

O conceito do álbum é acreditar em si mesmo, ser persistente e não se deixar diminuir pelas críticas maldosas das outras pessoas, indo atrás dos sonhos independente de qualquer coisa.

Veja nossa análise faixa a faixa

1. Grenzenlos (Sem limites)
O segundo single do álbum começa com acordes de guitarra bem característicos, que se aliam rapidamente a um sintetizador uptempo muito agradável. Nessa faixa, os dois cantam, dividindo igualmente o espaço, cantando uma letra que deixa uma mensagem muito clara sobre persistência e não se deixar abater pelos problemas, lembrando que é necessário tentar mesmo que os sonhos pareçam grandes demais.

O clipe, por outro lado, é bastante batido. Mostra apenas amigos que se divertem pela cidade até o dia clarear.

 

2. Nie vergessen (Nunca se esqueça)
O primeiro single do álbum foi um acerto e tanto. Os sintetizadores começam pontuais, mas vão ganhando mais camadas de guitarra e teclado eletrônico até Carolin começar a cantar. Cada um dos vocalistas canta pedaços grandes da letra.

A letra transmite uma espécie de ‘melancolia alegre’, tentando focar no lado bom de um término de relacionamento, como as boas lembranças e as novas direções que cada um vai tomar dali em diante.

O videoclipe é bem bobo mostrando momentos em que os dois passaram juntos no passado, contrastando com o presente, onde ambos estão se separando.


3. Herz aus Gold (Coração de ouro)
Enquanto as duas primeiras canções são bem radiofônicas, Herz aus Gold é uma das faixas menos comerciais do álbum, do tipo que se espera ouvir em um festival de pop eletrônico nos confins da Europa. Tem sintetizadores menos orgânicos e mixagem mais ousada. 

A letra, ao contrário da faixa anterior, mostra um fim de relacionamento conturbado, onde um joga na cara do outro tudo o que foi feito, dizendo que todo o abuso fez o eu-lírico mais forte. A canção é majoritariamente cantada por Carolin, e Bruno praticamente só aparece repetindo a palavra danke (‘obrigado’) no gancho.

4. Unsterblich (Imortal)
Essa faixa permite que haja um aumento de guitarra (e até mesmo piano na introdução) ao lado dos sintetizadores. Em certas partes, a música tende para o rap, mas no fim das contas, o electropop domina a melodia da canção.

A letra é um tanto boba, é uma canção de amor que repete o clichê do amor e da imortalidade, falando que o tempo parece não passar quando os dois estão juntos.

5. Was du nicht weißt (O que você não sabe)
Essa faixa começa com uma guitarra bem dedilhada, que é presente em toda a faixa, enquanto os sintetizadores são um pouco mais suaves em relação às faixas anteriores. A voz de Bruno mal aparece (exceto numa passagem na segunda metade da música), e Carolin canta de forma quase declamada, é uma música que tende muito ligeiramente ao rap, assim como a faixa anterior.

A letra é muito bem feita, falando sobre se permitir ser fraco, dizendo que mesmo quem parece ser forte e ter tudo tem suas fraquezas e problemas, e que ninguém deve se sentir inferior por não ter conquistado o que ‘deveria’, pois quase ninguém chegou nesse ponto.

6. So leicht (Tão facilmente)
Começando com vocalizações distorcidas de Carolin e rapidamente seguida por guitarra e sintetizadores, essa canção é tem um instrumental que lembra vagamente o fim dos anos noventa, e é bem gostosa de escutar.

A letra complementa a faixa anterior, dizendo que quando alguém se sente pressionado, fracassado e derrotado, sofrer pelo que não se tem controle só vai causar mais sofrimento.

7. Wie ich nicht sein will (Não serei assim)
Essa é uma balada delicada, onde Carolin canta quase sussurrando, acompanhada por um sintetizador um tanto oitentista que vai mudando aos poucos, até ser seguida por guitarras suaves no refrão.

É mais uma canção sobre término, onde o eu-lírico reclama de ter sido abandonado por não ter mudado para se encaixar nos padrões do companheiro.

8. Tanzem den Schmerz weg (Dançando apesar da dor)
Esta canção é realmente pronta para pista de dança. Quase sem instrumentação orgânica, os sintetizadores uptempo dominam a melodia. O refrão, repetitivo e marcante, é quase hipnótico, muito efetivo para dançar.

A letra, como o próprio nome indica, fala sobre descontar as raivas e frustrações na pista de dança.

9. Lasst uns was bewegen (Vamos fazer diferença)
No começo há um sintetizador bem áspero, parecido com o que existe em ‘Bitch I’m Madonna’, de Madonna. Apesar disso, a melodia dessa canção uptempo comporta bateria e piano, sendo mais um hino pra pista de dança.

A letra, no entanto, é um tanto utópica, praticamente um agradecimento às pessoas que fazem a diferença, no sentido de tentar tornar melhor a vida das pessoas.

10. Bevor ich gar nichts sage (Antes de falar qualquer coisa)
Apesar do começo acústico, logo o dedilhado na guitarra dá lugar a um sintetizador bem pesado, que quase obstrui a voz dos vocalistas. O título da música é repetido muitas vezes em meio à melodia uptempo, como convém a uma canção pra dançar.

A letra é praticamente o oposto do texto da faixa anterior. Aqui o eu-lírico zomba das pessoas ruins que tem atitudes contrárias das apreciadas em Lasst uns was bewegen.

11. Risiko (Risco)
Muito desejada pelos fãs como single, essa balada não chegou a se tornar música de trabalho. Talvez a mais tocante do álbum, ela continua na fórmula guitarra e sintetizador, além de contar com distorções na voz de Carolin em alguns pedaços. É, sem dúvida, um dos destaques do álbum.

A canção fala sobre o tempo que se perde temendo os riscos e sobre finalmente tomar a decisão de encarar as escolhas e as possibilidades, sem ficar em cima do muro, enfim tomando o controle da própria vida.

12. Zu Hause (Em casa)
O álbum fecha com sua canção mais acústica, onde piano e bateria superam de longe o sintetizador. É uma balada gostosa, apenas.

A letra, assim como Unsterblich, é um clichê enorme, onde o eu-lírico diz que se sente em casa quando está com a pessoa amada.



Análise: Glasperlenspiel ensina a superar os limites em 'Grenzenlos' Análise: Glasperlenspiel ensina a superar os limites em 'Grenzenlos' Reviewed by Wilson Barroso on domingo, janeiro 21, 2018 Rating: 5