Análise de clipe: 'Feral Hearts', de Kerli


Apesar de ter lançado apenas um álbum de estúdio até hoje, o interessantíssimo 'Love is Dead' (2008), a estoniana Kerli nunca parou de trabalhar, lançando EPs e singles soltos desde então, como o lindíssimo 'Feral Hearts', publicado em 19 de Fevereiro de 2016, que reflete uma mudança interna sofrida pela cantora.

Em 2015, a cantora deixou Los Angeles, voltando para sua Estônia natal. Kerli morou durante um tempo em um chalé no meio da floresta. Envolta por silêncio, solidão e atmosfera mágica dos bosques daquela região, a estoniana mudou de forma expressiva seu visão de mundo e seu trabalho, tirando o foco do trip hop urbano e do eletropop, absorvendo bastante influências do folk.


Tanto a canção, uma mistura de folk orquestrado e eletropop suave, quanto o clipe falam sobre a reaproximação do ser humano da natureza, criticando a forma que a vida longe dela é repressiva e infeliz, como foi o tempo em que a cantora morou em Los Angeles. Resumindo, tematicamente, é difícil ser mais folk que isso.

Para passar essa mensagem, Kerli utiliza imagens deslumbrantes da natureza estoniana, com seus bosques e riachos O arco de galhos no bosque, que aparece logo no começo do vídeo representa um portal que leva à uma dimensão mágica e etérea em meio à natureza, em que uma menina observa a cantora caracterizada como diversas divindades/entidades. 

A grande quantidade de espelhos que aparecem no bosque em determinados momentos simboliza a autoidentificação, ou seja, o mundo natural, mágico e selvagem é parte fundamental da alma e do coração do ser humano; e estar neste tipo de ambiente faz as pessoas finalmente se sentirem 'em casa'.

Dando uma verdadeira aula de mitologia estoniana, Kerli se veste de quatro seres lendários. A Ämblik Jumalanna, ou 'deusa aranha', no clipe é representada pela cantora vestida de vermelho com patas de aranha saindo de sua cabeça, significando a energia feminina e o elemento terra. Já a Näkk, a sereia, representa a dualidade entre o que é atrativo e o que é fatal, já que segundo a lenda esse ser atraía as crianças para a água e as afogava.

Também temos o Valge Hirv, o espírito do cervo branco, representado por Kerli com cabelo e galhada brancos, que de acordo com a lenda é um ser raríssimo, que atrai sorte a quem consegue vê-lo, sendo tão sagrado e especial para a mitologia estoniana quanto o unicórnio para a ocidental. Finalmente, temos o Puu Vaim, o espírito das árvores, representando o mais sagrado e precioso da mitologia local.
Análise de clipe: 'Feral Hearts', de Kerli Análise de clipe: 'Feral Hearts', de Kerli Reviewed by Wilson Barroso on quarta-feira, dezembro 20, 2017 Rating: 5