Muito além de 'Bad Romance'


Lady Gaga dispensa apresentações. Uma das figuras mais importantes e icônicas do pop dessa década, a cantora já chegou abusando do talento e da controvérsia. Com vários singles de sucesso, essa camaleoa já passeou por diversos estilos, do dancepop ao rock, do country ao jazz.

Apesar de tantos hits maravilhosos, algumas faixas igualmente maravilhosas acabam escapando do radar, não sendo nem mesmo lançadas como singles. Para a presença ilustre da mother monster nessa coluna, a POPlândia selecionou sete músicas fantásticas que não receberam a devida atenção da cantora e das rádios, mas que merecem ser ouvidas e adoradas.

1. Money Honey (The Fame, 2008)
Sexo e dinheiro, para alguns uma mistura perigosa, para outros um verdadeiro fetiche. E em um álbum que toca tanto na fama quanto em suas conseqüências, poucas canções penetram nesse tema de forma tão certeira. 'Money Honey' é uma faixa pop tendendo a um swing house delicioso com guitarra, teclado eletrônico e aqueles sintetizadores nostálgicos que jogam a gente vários anos pro passado, ‘Money honey’ tem tudo pra ter sido um single tão icônico quanto ‘Just dance’ ou ‘Pokerface’.


2. Monster (The Fame Monster, 2009)
‘Monster’ tem uma batida super densa, e ao mesmo tempo intimista, combinando com seus vocais debochados, onde Gaga nos presenteia com uma canção suja cheia de metáforas e figuras de linguagem. O fato dessa canção não ter sido devidamente utilizada é até hoje uma grande mágoa no coração dos little monsters.


3. Dance in the Dark (The Fame Monster, 2009)
Felizmente esta faixa recebeu mais justiça, ao ser escolhida para abrir a ‘The Monster Ball Tour’. E seria um crime jogar para escanteio essa pérola, que tem um pseudorap que é praticamente um mantra. Esse hino retrô e um tanto new wave é muito elegante, acertando no ponto dos sintetizadores e fazendo referências a grandes artistas e personalidades do passado, como Marilyn MonroeLiberace, e Princesa Diana.


4. Scheiße (Born This Way, 2011)

Essa música é um hino tão forte que tem até a mamãe monstro falando em línguas. Muito querida pelos fãs, essa farofa quicadeira não é nada leviana, retoma muito bem o conceito do álbum de trazer empoderamento (principalmente feminino) e independência. Ela traz um instrumental poderoso e marcante, mas não foi o suficiente para que a gravadora permitisse seu lançamento como música de trabalho. Pelo menos ela é performada com uma certa frequência.



5. Bloody Mary (Born This Way, 2011)
Não é nada fácil definir essa canção. Sua melodia é ao mesmo tempo lenta e sensual, distorcida e underground com algo de pecaminoso e proibido que fisga qualquer um. Seus coros distorcidos, clima assustador e um grito que rompe do nada dão um clima muito solene pra esta faixa neo-medieval, onde Gaga encarna vários personagens, como a santa Maria Madalena e a lenda urbana Bloody Mary. Aqui se fala sobre dualidades, seja sagrado-profano, divino-diabólico, sensibilidade-força ou mesmo mulher exterior-mulher interior.

Infelizmente, não dá pra imaginar uma música assim tocando nas rádios. Imaginem só a quantidade absurda de pessoas ouvindo a letra fora de contexto e acusando Gaga de ser satânica, maligna, o próprio Anticristo, entre outras coisas.


6. Venus (Artpop, 2013)
Uma mistura de mitologia romana, astrologia e desejo sexual enredado em um dance pop muito bem trabalhado que já começa estourando, não é a toa que ‘Venus’ é uma das queridinhas dos fãs. Quem não se empolgou com a foto de Gaga prateada com um escorpião grudado na testa que atire a primeira pedra! Esse hino poderia ter tido um clipe extraordinário e sido um lead single talvez até melhor do que ‘Applause’. Mas não foi dessa vez, não é?


7. Diamond Heart (Joanne, 2016)
A faixa de abertura do álbum começa com um dedilhado suave, mas logo chega ao seu auge. Essa canção country pop mescla muito bem a batida de sintetizadores com uma melodia country às vezes delicada, às vezes pungente. É do tipo de música que dá vontade de por no rádio do carro e pegar a estrada, no maior clima roadtrip. Apesar de não ter sido single, foi utilizada para abrir a 'Joanne World Tour' em grande estilo.


Muito além de 'Bad Romance' Muito além de 'Bad Romance' Reviewed by Wilson Barroso on segunda-feira, outubro 30, 2017 Rating: 5