Shy'm de volta às origens tropicais em 'Héros'


Veja nossas análises anteriores dessa artista
Caméléon (2012)

Tamara Marthe, conhecida como Shy’m, nascida nos subúrbios de Paris em 28 de Novembro de 1985 é uma das cantoras francesas mais bem sucedidas do século XXI, tendo vendido mais de um milhão de álbuns na França. Comparada constantemente com Rihanna e até mesmo com Beyoncé, Shy’m é conhecida por sua presença de palco, sensualidade das músicas e timbre agradável.

Do lançamento de seu primeiro álbum (‘Mes fantaisies’, 2006) até sua vitória no ‘Danse avec le stars’ (Dançando com as estrelas, em tradução livre) em 2011 suas músicas tendiam  majoritariamente ao R’n’B e ao blues, com direito a experimentos hip hop e rap, por causa da parceria com diversos rappers franceses, principalmente K-Maro.

Em 2012 e 2014, no entanto, todo o estilo R’n’B da cantora praticamente abandonado com o lançamento de seu quarto e quinto álbuns de estúdio, ‘Caméléon’ (Camaleão) e ‘Solitaire’ (Solitária), trabalhos extremamente dancepop. Essa experiência de mudar radicalmente a sonoridade de Shy’m, apesar de arriscada, funcionou.

Depois de mais de dez anos de carreira, no entanto, a cantora buscou inspiração no começo de sua carreira para ir em frente. E em ‘Héros’ (Herói), lançado em 01 de Setembro de 2017, Shy’m retorna ao hip-hop, ao R'nB e aos ritmos tropicais do começo de sua carreira. Mas a influência da fase dancepop é grande, principalmente nas baladas e nas faixas mais eletrônicas. No fim das contas, é um trabalho fresco, tropical e dançante, algo mais popular e digno das raízes caribenhas da família da cantora.

Veja nossa análise faixa a faixa
.
1. Mayday (feat. Kid Ink)
O primeiro single do álbum (e provavelmente sua melhor faixa) é um hino pop fortemente orientado para o rap e hip hop, do tipo de se acabar na pista de dança. Os sintetizadores são muito bem escolhidos, se misturando bem com a percussão mais lenta. A letra é bem inusitada, falando sobre palavras e a relação do eu-lírico com elas.

O clipe tem apelo internacional, tendo sido gravado em Los Angeles, com a cantora e dançarinos performando a canção na skyline da cidade durante a noite.


2. Où Es-Tu? (Onde você está?)
Essa canção é nossa aposta para single do álbum. Ela se assemelha muito às músicas dos começo da carreira da cantora, e é bem mais acústica que a faixa anterior, contendo piano, violão e teclado numa melodia muito fresca e tropical, que intercala o texto em francês com frases em inglês.

Já a letra é um pouco mais genérica, onde o eu-lírico se pergunta onde está a pessoa que fará sua vida valer a pena, ou seja, a busca pelo amor.

3. Work It
Essa música é uma mistura de forró nordestino e brega paraense, mas cantado em francês, com trechos em inglês. É fresca e tropical, com a instrumentação típica, trazendo à tona a ascendência caribenha da cantora, cujo pai nasceu na ilha de Martinica. Tudo isso casa bem com a letra, que fala justamente sobre dançar e se divertir, fazendo o ouvinte se sentir em uma das ilhas do Caribe.

4. Héros (Herói)
A faixa-título do álbum também é uma aposta para single. Ela é sensual e tende um pouco ao rap, sem perder sua aura dinâmica pop. Ela é um pouco grudenta no refrão, o que combina com sua melodia, dominada por sintetizador e percussão, além de um instrumento delicado de sopro em algumas partes. Ela fala sobre as fraquezas do eu-lírico, que não é invulnerável, como as pessoas pensam.

5. Vraiment (De verdade)
Talvez a canção mais eletropop do álbum, ela mescla piano e sintetizadores eletrônicos bastante característicos, basicamente o que The Chainsmokers seria se fosse bom. Ela retoma um pouco a temática de ‘Mayday’, onde o eu-lírico diz que só vive de verdade o sentimento que tem por outra pessoa quando ele não é evocado em palavras.

6. Si Tu M’Aimes Encore (Se você ainda me ama)
A primeira balada e segundo single do álbum é calma, deixando o piano dominar os sintetizadores diminuídos e uma bateria muito discreta que aparece às vezes, principalmente no refrão. É uma canção de amor bem bonita e bastante nostálgica.

O clipe é basicamente a cantora e seu parceiro dançando em um galpão vazio. A letra e o clipe lembram bastante outros singles da cantora, como ‘On Se Fout De Nous’ e ‘Prendre L'Air’.


7. Madinina
Essa canção é uma homenagem à Martinica, local de nascimento do pai de Shy’m. O nome ‘Madinina’ é um dos nomes dados à ilha por seus habitantes nativos. Essa canção é bastante tropical, do tipo que se espera ouvir num luau, se assemelhando ao reggae. Ela quase não traz sintetizadores, e a melodia é dominada por bateria, baixo e teclado, acompanhando um texto que evoca as memórias de infância que a cantora tem sobre a ilha.

8. Puisque (Já que)
Retomando o clima mais internacionalista, essa faixa traz uma melodia mais densa e lenta, no entanto sem ser uma balada propriamente dita. Sua melodia traz sintetizadores, piano e violão, além de distorções eventuais na voz da cantora. Já a letra não traz nada de inédito, é mais uma canção de amor, muito bem executada, aliás.

9. Doucement (Suavemente)
Dominada por pianos e dotada de uma batida eletrônica lenta, muito orientada para o R’n’B, essa faixa parece ter saído de um dos dois primeiros álbuns da cantora (‘Reflets’ e ‘Mes Fantaisies’). Ela lida com fim de relacionamento.

10. Sunshine
A melodia aqui se acelera, trazendo de volta os sintetizadores, mas dessa vez com palmas e violão como um tempero especial, se intensificando no refrão. Assim como a faixa anterior, ela lida com término, e com toda a nostalgia envolvida.

11. Salut salaud (Olá, idiota)
Uma canção dançante, pop, muito típica desse gênero na França, com a melodia dominada por piano e sintetizadores, que aumentam e diminuem de intensidade ciclicamente. Ela é o oposto da faixa anterior. Enquanto ‘Sunshine’ vê o ex-parceiro com saudade e nostalgia, em ‘salut, salaud’, ele é visto com rancor e mágoa.

12. Encore (De novo)
A última faixa é uma balada de voz e violão, bonita, mas não do tipo que se torna memorável em um álbum de pop. Ela é a negação das três faixas anteriores, e aqui o eu-lírico quer retomar o relacionamento terminado.

Letra: 6,0
Melodia e Instrumentação: 7,0
Vocais: 7,5
Videografia: 7,0
Identidade Visual: 7,0
Nota final: 6,9



Shy'm de volta às origens tropicais em 'Héros' Shy'm de volta às origens tropicais em 'Héros' Reviewed by Wilson Barroso on domingo, setembro 03, 2017 Rating: 5