Delta Goodrem se liberta para voar em ‘Wings of the wild’


Delta Goodrem é uma das cantoras mais importantes do mainstream australiano, mesmo que seu trabalho seja pouco conhecido e consumido na América, exceto por um ou outro hit global.

Delta Lea Goodrem nasceu em 9 de Novembro de 1984 em Sydney, Austrália, entrando para mídia no papel de Nina Tucker, na novela Neighbours (a mesma que catapultou Kylie Minogue para a mídia). Ela assinou seu primeiro contrato musical aos 15 anos, e em 2003 lançou seu primeiro álbum, ‘Innocent eyes’, que foi um sucesso mundial, rendendo sua canção assinatura, ‘Born to try’, responsável por fazer seu nome chegar mesmo nas protecionistas e xenófobas paradas americanas. Até hoje, seu debut vendeu 1,2 milhões de cópias apenas na Austrália (é o sexto álbum mais vendido no país) e 4,5 milhões ao redor do mundo.

Apesar de sua carreira relativamente curta, Delta já conquistou seu lugar cativo no cancioneiro australiano. Mas nem tudo são flores: a cantora já passou por momentos difíceis como um câncer e processos por direitos autorais, mas sempre os superou com desenvoltura e talento.

A cantora é conhecida pela sua voz ao mesmo tempo doce e poderosa, podendo alcançar notas extremas com facilidade e abusar das técnicas e trejeitos que tanto gostamos. Isso, somado ao seu talento como pianista e compositora, tornam Delta uma artista bastante completa.

‘Wings of the wild’ foi lançado em 1º de Julho de 2016, após um hiato de quatro anos, onde a cantora trabalhava como jurada do The Voice Australia. Este álbum, como os outros, tem o piano bastante presente em sua instrumentação, o que não impede que nele existam faixas dance pop excelentes. De acordo com a própria cantora, esse álbum trata de liberdade e crueza, onde Delta pode esquecer um pouco as convenções racionais e entrar em contato com seu espírito livre, sensível e selvagem.

Veja nossa análise faixa a faixa:

1. Feline
O álbum é aberto de uma forma maravilhosamente clássica, cheirando a dance dos anos noventa. Aliando piano e violino aos sintetizadores, que nunca se sobrepõem à instrumentação orgânica, essa faixa poderia ter sido um single maravilhoso. A percussão do refrão é um tanto tribal, bom para trazer a idéia de ‘selvagem’.  Na ponte, Delta faz uma coloratura maravilhosa com a palavra ‘feline’.

A letra resume o conceito do álbum, falando da forma que a vida machuca, mas ao mesmo tempo fortalece. E se a vida ataca alguém, esse alguém tem que atacar de volta, sem se acovardar diante das pessoas.

2. Wings
O lead single do álbum é um dance pop muito elegante e animado, do tipo de se acabar na balada. Sua melodia é muito rica, com piano, guitarra, percussão pesada e guitarra, fazendo com que os sintetizadores tenham um papel totalmente secundário. Já a letra lida com auto-estima, usando as metáforas de asas e vôo como superação de problemas e busca por liberdade.

O clipe é muito bem dirigido e tem uma fotografia espelhada maravilhosa, alternando cenas que mostram Delta tocando instrumentos e coreografando com pombos voando e outras coisinhas a mais.


3. Dear life
Inicialmente proejada como uma canção upbeat, o segundo single do álbum acabou se tornando algo mais voltado para balada, de melodia suave e mais delicada, liderada por piano e violino. A voz de Delta está mais trabalhada, chegando a notas mais altas em alguns pedaços. A letra fala sobre as pancadas que a vida dá, focando nas dúvidas que surgem nos momentos mais difíceis.

O clipe mostra Delta cantando tocando piano na frente de uma tela grande, onde passam fotos, inclusive da época em que a cantora estava se tratando de câncer.


4. Just Call
O clima ‘balada’ da faixa anterior é violentamente cortado por violoncelos, que se aliam rapidamente a palmas, vocalizações masculinas e percussão. A melodia é bastante dinâmica e interessante, trazendo o toque selvagem que o álbum ambiciona, que casa muito com bem com a técnica vocal de Goodrem.

A letra traz esperança, onde quando alguém passa por momentos difíceis, basta chamar por Delta, que ela aparece. Não fica claro se o eu-lírico fala de uma pessoa ou de alguma espécie de sentimento ou aspecto metafísico personalizado pela cantora.

5. In the name of Love
A quinta faixa começa com um trecho muito veloz de piano e percussão, logo acompanhados por sintetizadores. Por outro lado, a voz de Delta está mais discreta do que na faixa anterior, deixando para explodir no gancho e no refrão, que ganha coro.

A letra fala sobre o que o título sugere: lutar pelo amor apesar de todas as dificuldades envolvidas.

6. Enough (feat. Gizzle)
A primeira balada propriamente dita é composta quase somente por piano aliando a sintetizadores e beatbox de hip-hop. Primeiro e único dueto do álbum, ela traz o rapper Gizzle, que canta uma grande parte da música, acompanhando Delta num texto sobre insegurança, dúvidas e medo de falhar.

O clipe mostra um artista passando por esses problemas, pintando e repintando várias vezes sua tela, até que conseguir vencer o medo. Esse plot é intercalado com cenas de Delta e Gizzle, acompanhados de banda e coro, cantando numa igreja.


7. Heavy
Quinto single do álbum, ‘Heavy’ é uma de suas canções mais acústicas, sendo 100% piano e voz. A voz de Delta está muito clara ao longo de toda a melodia, que acompanha uma letra que trata dos problemas que se acumulam na vida de uma pessoa, mesmo que aparentemente esta seja bem sucedida e ‘sortuda’. O clipe é simples, mostrando Delta cantando em preto e branco em frente a uma parede.


8. Only human
Apesar de ter ganhado clipe e ter sido cantada bem antes de ‘Wings’, lead single do álbum, esta faixa não é considerada single, mas uma espécie de canção comemorativa do retorno de Delta à novela Neighbours, no papel de Nina Tucker, em 2015. Assim como ‘Heavy’, é uma balada totalmente composta de piano e voz, tratando de desilusões amorosas de uma forma bastante tocante. Similar a ‘Heavy’, o clipe dessa canção traz apenas Delta cantando e tocando piano num vídeo e preto e branco.


9. The river
Quarto single do álbum, essa faixa não tem nada a ver com as três anteriores. Ela começa com um pedaço distorcido do refrão, levando logo para sintetizadores, baterias e piano com uma batida muito bem marcada, com direito a coro, tendendo um pouco ao gospel. É uma das melhores músicas do álbum, contando a história de uma mulher que é julgada por matar seu parceiro ao vê-lo traindo-a.

Alguns críticos compararam essa música a ‘Rolling in the deep’ de Adele e a ‘Daddy lessons’ de Beyoncé.

Seu clipe intercala cenas de Delta num tribunal e da reconstrução do crime de seu parceiro, além de alguns momentos do que aparece um batismo num rio, talvez um símbolo de redenção e libertação dos maus relacionamentos anteriores.


10. I’m not giving up
Aliando violão e piano com palmas e coro, essa faixa seria um tipo de ‘ressaca’ da anterior. Não é exatamente uma balada, mas tem a melodia mais densa em relação a ‘The river’.  A letra reforça o ‘batismo’ sofrido pelo eu-lírico na faixa anterior, dizendo que este não vai desistir do amor, e que vai tentar ser feliz de novo.

11. Encore
Apesar de não ser uma balada, a voz de Delta se sobressai bastante à melodia, dominada por sintetizadores, que começam suaves, mas que explodem no refrão. A letra complementa ‘I’m not giving up’, onde o eu-lírico corta todas as ligações com a pessoa que a traiu. Apesar de ser muito radiofônica, não foi escolhida como música de trabalho.

12. Hold on
Voltando para o clima clássico, essa canção já começa com violinos poderosos, desaguando numa melodia dominada por sintetizadores e percussão, além de coro no refrão. A voz de Delta está fabulosa nessa faixa, que é uma canção de amor, pois aparentemente Delta voltou a amar, fechando o ciclo iniciado em ‘The river’.

13. I believe in a thing called love
O álbum é encerrado com um cover da banda The Darkness (veja a versão original aqui), que lançou esta faixa em 2003. A versão de Delta a dá uma roupagem clássica, baseada em piano e violino. Fora isso, é uma canção de amor meio adolescente.

Letra: 8,0
Melodia e Instrumentação: 8,5
Vocais:  9,0
Videografia: 8,0
Identidade Visual: 7,0
Nota final: 8,1


Delta Goodrem se liberta para voar em ‘Wings of the wild’ Delta Goodrem se liberta para voar em ‘Wings of the wild’ Reviewed by Wilson Barroso on domingo, agosto 20, 2017 Rating: 5