As drags que estão salvando a música pop nacional


A cultura drag sempre esteve presente na nossa sociedade. O clássico do cinema "Priscilla, A Rainha do Deserto" já mostrava como é a vida desses artistas que lutam para serem respeitados. Infelizmente a figura da drag queen sempre viveu a margem da sociedade, sendo uma figura exclusivamente noturna e que as pessoas tinham medo.

No Brasil, nomes como Silvetty Montilla, Salete Campari e Marcia Pantera são figuras respeitadas no universo drag como percursoras do movimento LGBT no país.

Mais recentemente, no ano de 2009, nos EUA, a famosa drag queen Rupaul cria um programa de competição entre várias drags, chamado RuPaul's Drag Race, que logo popularizou o movimento para os mais jovens que não conheciam a arte. Um boom na cultura drag que andava esquecida.

Chamadas de geração “filhas de Rupaul”, as drags brasileiras estão no seu momento de ascensão. Nomes como Pabllo Vittar, Gloria Groove, Aretuza Lovi e Lia Clark fazem sucesso com músicas que dão voz para o público LGBT e inspiram uma nova geração de drags a mostrarem a sua arte e serem bem-sucedidas com o seu trabalho.

Pabllo Vittar – Pabllo Vittar é hoje um dos grandes nomes da Drag Music, que lançou em 2015 o EP "Open Bar", como o hit homônimo que fez um enorme sucesso e atraiu o olhar do produtor americano Diplo, dono da faixa "Lean On", parodiada por Vittar.

A partir daí foi só sucesso! Em 2017, Pabllo lança seu primeiro álbum de inéditas, "Vai Passar Mal" e estoura com o hit do carnaval, "Todo Dia", que a levou cantar com o maior ícone do pop brasileiro atual, a cantora Anitta, no Bloco das Poderosas.



"Se a gente tá aqui hoje, dando uma entrevista, eu montada de drag, é porque muita gente morreu e sofreu preconceito pra gente ocupar esse espaço." - Pabllo Vittar para a Trip Tv (2017).

Gloria Groove – Se ser drag queen e cantora já não é uma tarefa fácil, imagina ser drag e rapper? SIM! Gloria é da quebrada e colocou a Drag Music de frente a uma cultura dominada somente por homens.

Seu primeiro single, "Dona", é uma autoafirmação que a drag queen é dona de si mesma e está aqui para provocar e buscar o seu espaço no mundo.

Seu segundo single, "Império", se mantem na temática da autoafirmação, onde mostra que quem constrói a sua própria história, seu próprio império, é você, com muita luta e vontade de vencer. Ambos os clipes contam com participações de drags famosas na noite, como Penelopy Jean, Tiffany Bradshaw, Alexia Twister, entre outras maravilhosas.



"Uma vez que você tá em paz com o fato de que você é uma bichona sim, de que você é preta sim, de que você é tudo isso sim, não tem como ninguém mais te atingir por conta desses fatores... As pessoas vão ter que penar pra achar outro motivo." - Gloria Groove para a Trip Tv (2017).

Aretuza Lovi – Aretuza começou a sua carreira na noite brasiliense e logo chamou a atenção da emissora Globo para fazer uma participação no programa Amor e Sexo, e a partir daí sua carreira como cantora deslanchou. Em 2017, sua música "Catuaba", com a participação de Gloria Groove virou hit e tem mais de 1 milhão de visualizações no Youtube em menos de 4 meses.

"Tem muitas famílias, muitos pais, que não tem orgulho de falar assim: Ah, o meu filho é drag. Porque pensa que já é transex, que já vai se prostituir. Eles não entendem que ser drag é uma arte e hoje eu sou uma pessoa orgulhosa de estar levantando esse mercado, de um jeito mais moderno e irreverente, mostrando a minha arte." Aretuza Lovi para Gabi Quase Proibida (2014).

Lia Clark – Primeira drag funkeira do Brasil, Lia surgiu com o hit "Trava Trava", que fez o maior sucesso no Carnaval de 2016 e a partir daí suas músicas estouraram com o público LGBT, que logo se identificou com seu jeito divertido e suas letras ousadas.

Alguns meses depois, seu primeiro EP chamado "Clark Boom" foi lançado e seu mais recente single, "Chifrudo" com a participação de Mulher Pepita, foi um grande sucesso, atingindo mais de 1 milhão e 700 mil visualizações em menos de 2 meses.


"Eu acho muito legal ter representatividade LGBT nesse meio (funk) porque a gente precisa cada vez mais "pegar" o nosso espaço... Não só da música, todo mundo da moda, música, televisão, cinema, tudo. A gente tem que mostrar que a gente tá aqui." - Lia Clark para a DRAGR TV (2017).

Hoje a drag queen, além de estar nos palcos e na noite, elas estão na televisão, estão gravando suas músicas, lançando álbuns, dando entrevistas. Como diria Gloria Groove: "Do nada “cê” liga a tv, “nóis” tá na Globo".

Representatividade importa e muito. Sucesso para todas essas maravilhosas!


As drags que estão salvando a música pop nacional As drags que estão salvando a música pop nacional Reviewed by Bernardo Torres on quarta-feira, março 15, 2017 Rating: 5